No jornalismo não há ética sem democracia

1984democratiza

Nos primeiros capítulos do seu livro..

Francisco J. C. Karam nos lembra de algo muito importante que muitas vezes esquecemos ao discutir a questão da ética no jornalismo. A ética jornalística não é uma escolha. É um dado concreto intimamente ligado a formação estrutural do campo da comunicação e do jornalismo no Brasil. Para que exista um jornalismo ético é preciso, em primeiro lugar, que “..as diversas concepções, versões, culturas e comportamentos estejam presentes”(KARAM, 2014, p.18). A linguagem, bem como lembra Bakhtin, é formada na práxis. A ética jornalística como lembra Karam e concorda Eugênio Bucci também é formada na práxis. Se a práxis do campo comunicacional no Brasil não for democrática, se continuar concentrada nas mãos de poucas pessoas, não haverá diversidade de vozes e consequentemente não haverá um jornalismo ético em nosso país. Não é questão de formato de texto, de escolha do jornalista ou aperfeiçoamento de um código moral universal, esse é um problema estrutural.

A luta, portanto, pela ética no jornalismo deve ser, primordialmente, uma luta pela democratização dos meios de comunicação.

"..o direito social a informação só tem sentido se for conectado a conceitos e valores, como liberdade. O caminho para ele não passa pela supressão da informação sobre as coisas que se passam no mundo, mas pela revelação diversa e contraditória do movimento humano." (KARAM, 2014, p. 12)

A competição levou ao monopólio

Como lembra Eugênio Bucci, talvez ingenuamente, acreditamos no liberalismo, na ética do mercado, em que a competição poderia prover e suprir essa demanda pela diversidade de vozes no jornalismo, com o passar do tempo, entretanto, constatamos que essa competição apenas levou ao monopólio e o cristalizou.

Se quisermos um jornalismo ético, precisamos de pluralidade de vozes. Precisamos lutar pela democratização dos meios de comunicação no Brasil, por políticas que favoreçam e incentivem a inserção de novos atores no campo da comunicação. Isso inclui não apenas leis menos restritivas e a desburocratização, mas também o incentivo a criação e a manutenção de iniciativas que contestem o monopólio e promovam a diversidade de vozes.

Em seu artigo, ao comparar com Argentina e Venezuela, Gislaine Moreira mostra que as políticas de comunicação comunitária no Brasil são restritivas, limitadas e praticamente impossibilitam a existência de canais comunitários em grande escala, tornando esse tipo de iniciativa uma forma de resistência aguerrida contra todo um sistema de criminalização, precarização e desmonte.

“Ética não é etiqueta” – Eugênio Bucci

Não quero dizer que os jornalistas não devam discutir profundamente suas práticas cotidianas e pensar como podem se tornar mais éticos, isso é importante também, mas apenas tento lembrar que essa não é uma escolha individual, mas que, para a sua realização real, compete uma mudança estrutural e maior, exigindo assim uma ação conjunta da sociedade que vise a transformação da realidade social dos meios de comunicação.

“O problema ético é um problema estrutural e sistêmico” (BUCCI, 2000, P. 35)

A discussão desse artigo discutiu a estrutura geral na qual a comunicação social de interesse público está inserida. É possível, porém, também voltar os olhos para a estrutura interna dos meios de comunicação. Se não há democracia interna, é possível existir ética nos meios? Se as redações são hierarquizadas, a ética fica a cargo do bom e do mau profissional? Do bom ou do mau chefe de redação? ts.. Esse ponto coloquei apenas para dizer que puxando esse fio dá pra ir longe.

Embora muitos autores, como Karam e Bucci apontem em um primeiro momento para essas perspectivas, em seguida parecem esquecer disso e se voltam para a discussão aprofundada dos códigos e condutas. Não que isso não seja importante e necessário, mas a pergunta que fica é, como romper esses limites e pensar também pensar principalmente na transformação estrutural dos meios como forma de conquista e garantia de uma ética na comunicação?

Utopia? Necessária.

BUCCI, Eugênio. Sobre ética e imprensa . São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
KARAM, Francisco José Castilhos. Jornalismo, ética e liberdade . São Paulo: Summus, 2014.
MOREIRA, Gislaine. É legal? A regulação da Comunicação Comunitária na esquerda latino-americana. Intercom – RBCC. São Paulo, v.36, n.1, p. 209-227, jan./jun. 2013.

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.

O dia que o Oiticica rodou a baiana no MAM

heliooiticica-passistamangueiracomparangolenomam11

“..crioulo não entra no MAM, isto é rascismo.”

Details »

14.11.2015

12249651_1493240957637533_3087852886953099477_npq

Não pode entrar na escola

Details »

Vai vadiar

vaivadia

Quem gosta da orgia

Details »

Eu não sei dizer

entãoeuescuto

Nada por dizer

Details »

No jornalismo não há ética sem democracia

1984democratiza

Nos primeiros capítulos do seu livro..

Details »

Resistimos!

resistimos256256

Não porque somos corajosos.

Details »

A catástrofe do jornalista

jornalistaboom256256

“Qualquer jornalista que não seja demasiado obtuso..

Details »

O palhaço

palhaço

Details »

A dúvida..

23052015-IMG_5044

A dúvida era um insondável sofrimento.

Details »

O seu veículo..

bike

Tenho pedalado diariamente em Londrina..

Details »

Rixa fanfarrão

rixpq

Coisas do Paraná.

Details »

“Era tudo uma coisa só

vidaoperaria

Mário, pedra e lago”

Details »

A maior riqueza do homem

robertshanapakeharrison

É a sua incompletude.

Details »

O recrutamento

marcha

Os passos estão se tornando mais nítidos.

Details »

O que Proudhon diria sobre o Facebook?

1984

Usar o Facebook é..

Details »

E a vida está acabando

ponteiros

Após ter dormido na metade do filme..

Details »

E eu..

eeu

Faltavam 5 minutos para a morte chegar,

Details »

Só nos resta a vida para viver

7a788-enlacoladelinem

“Em nosso sistema político e social,

Details »

O dia da indiferença – Jack Kerouac

diadanossadesesperança

Não é verdade?

Details »

Tellico: Gerenciando coleções de livros

tellico-screenshot

Pesquise na internet os dados do livro com o Tellico.

Details »

Dislike Facebook

dislikestencil

Nos vemos nas ruas..

Details »

Música: O pirata – Ave Sangria

avesangria

Sem bandeira, sem espada, no mar pra viver

Details »

Vídeo: Exija sua privacidade

surveilance

Big Data se transormou em Big Brother..

Details »

Não queremos outra rede social proprietária

images

Saiba porque não estamos interessados..

Details »

Facebook, Google e a identidade online

translate

Confiram a tradução do artigo do http://qz.com.

Details »

Documentário: Vítimas do Facebook

fbnff

O Facebook não foi feito por amor. É um negócio!

Details »

Facebook: Ninguém curte isso

nblfb

Vídeo: Você precisa sair do Facebook legendado.

Details »

O papão

idol-moloch2

“As crianças tem medo à noite..”

Details »

Referenciais

realidade

“Sempre preferi gente ao tempo e ao espaço.”

Details »

Virtude militar

wall

Vês aquele muro?

Details »

Toda flor tem seus espinhos

Sim

Details »

Estar em paz – Oscar Wilde

09022014-IMG_5404-2

“Descansar na macia terra escura,

Details »

Bad luck

badluck

Gostaria de enraizar..

Details »

Jornalismo que preocupa: Gazeta do Povo

EditorialGazetadoPovo

Gazeta do Povo sobre protestos no Brasil.

Details »

Documentário: Black Block legendado (2011)

blackblock2011

Documentário: o terror policial em Gênova 2001.

Details »

Filme: Diaz – Não limpe esse sangue (2012)

diaz-movie.jpg

“Mataram um de 22. O que mais querem?”

Details »

Documentário: El cine libertario legendado

nosotrossomosasi

La revolución en el séptimo arte

Details »

Copavi: Terra libertada, sonho construído

copavi

“Uma prova de que é, sim, possível.”

Details »

Música: A banca do distinto

burguesia

Pra que tanta pose, doutor?

Details »

Música: Eu despedi o meu patrão

autogestao

Ele roubava o que eu mais valia..

Details »