“Era tudo uma coisa só

vidaoperariaMário, pedra e lago”

“Mário não sabia que tinha nascido poeta. Seus pais primeiro pensaram que ele fosse débil mental. Porque, por exemplo, se o menino visse uma formiga no canteiro do jardim, apaixonava-se por ela de modo obsessivo, quer dizer, enfiava a cara contra o chão para focalizar nitidamente aquele ser movente. E rastejava o dia inteiro atrás da formiga, por onde ela fosse, a fim de saber direito o que era aquilo, o que fazia, como vivia e, sobretudo, o que significava em relação à pessoa dele. Como os adultos, do alto de suas estaturas, não podiam ver a formiga sob a cabeça do menino, e como não conseguiam arrancá-lo daquela posição sem escândalo e violência, tudo levava a crer que se tratava de natureza ou vocação quadrúpede.

Mário custou muito a aprender a falar do jeito que as pessoas gostam que as crianças falem. Quero dizer que ele falava, emitia sons articulados muito parecidos com os das línguas estrangeiras que ainda não aprendemos. Essa comparação me parece boa porque, de fato, Mário tinha inventado uma linguagem própria e queria que os outros a aprendessem com o mesmo empenho com que queriam que ele aprendesse a deles.

Esses exemplos dão alguma ideia de como foi a infância de Mário, principalmente imaginando que formiga e falar são duas coisas menos interessantes e perturbadoras que se pode descobrir no jardim da gente, nas cidades da gente e nas gentes da gente.

Na adolescência, Mário já falava o português, embora com forte e carregado sotaque de sua própria língua. Submeteu-se à escola, e espantava mestres e colegas com seus conhecimentos de fenômenos e coisas da natureza. O maior problema era imitar o comportamento de outros meninos, reservando apenas para quando estivesse sozinho o seu jeito natural de ser que tanto incomodava e escandalizava as demais pessoas. Cansou de apanhar dos pais e de ser apalpado e revirado ao avesso pelos médicos, de ser humilhado pelos professores e pelos colegas. Assim, para evitar as bordoadas, os quartos escuros, as refeições sem sobremesa, as injeções e colheradas de óleo de fígado de bacalhau, Mário inventou um personagem que, quando representava bem, garantia-lhe o direito de ficar sozinho no lugar que escolhesse e sendo ele mesmo pelo tempo que quisesse ser.”

Continua..

Roberto Freire – Viva eu, Viva Tu, Viva o Rabo do Tatu!, p. 60-62

Foto: Vida Operária – Operária 2, 2011.

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.

O dia que o Oiticica rodou a baiana no MAM

heliooiticica-passistamangueiracomparangolenomam11

“..crioulo não entra no MAM, isto é rascismo.”

Details »

14.11.2015

12249651_1493240957637533_3087852886953099477_npq

Não pode entrar na escola

Details »

Vai vadiar

vaivadia

Quem gosta da orgia

Details »

Eu não sei dizer

entãoeuescuto

Nada por dizer

Details »

No jornalismo não há ética sem democracia

1984democratiza

Nos primeiros capítulos do seu livro..

Details »

Resistimos!

resistimos256256

Não porque somos corajosos.

Details »

A catástrofe do jornalista

jornalistaboom256256

“Qualquer jornalista que não seja demasiado obtuso..

Details »

O palhaço

palhaço

Details »

A dúvida..

23052015-IMG_5044

A dúvida era um insondável sofrimento.

Details »

O seu veículo..

bike

Tenho pedalado diariamente em Londrina..

Details »

Rixa fanfarrão

rixpq

Coisas do Paraná.

Details »

“Era tudo uma coisa só

vidaoperaria

Mário, pedra e lago”

Details »

A maior riqueza do homem

robertshanapakeharrison

É a sua incompletude.

Details »

O recrutamento

marcha

Os passos estão se tornando mais nítidos.

Details »

O que Proudhon diria sobre o Facebook?

1984

Usar o Facebook é..

Details »

E a vida está acabando

ponteiros

Após ter dormido na metade do filme..

Details »

E eu..

eeu

Faltavam 5 minutos para a morte chegar,

Details »

Só nos resta a vida para viver

7a788-enlacoladelinem

“Em nosso sistema político e social,

Details »

O dia da indiferença – Jack Kerouac

diadanossadesesperança

Não é verdade?

Details »

Tellico: Gerenciando coleções de livros

tellico-screenshot

Pesquise na internet os dados do livro com o Tellico.

Details »

Dislike Facebook

dislikestencil

Nos vemos nas ruas..

Details »

Música: O pirata – Ave Sangria

avesangria

Sem bandeira, sem espada, no mar pra viver

Details »

Vídeo: Exija sua privacidade

surveilance

Big Data se transormou em Big Brother..

Details »

Não queremos outra rede social proprietária

images

Saiba porque não estamos interessados..

Details »

Facebook, Google e a identidade online

translate

Confiram a tradução do artigo do http://qz.com.

Details »

Documentário: Vítimas do Facebook

fbnff

O Facebook não foi feito por amor. É um negócio!

Details »

Facebook: Ninguém curte isso

nblfb

Vídeo: Você precisa sair do Facebook legendado.

Details »

O papão

idol-moloch2

“As crianças tem medo à noite..”

Details »

Referenciais

realidade

“Sempre preferi gente ao tempo e ao espaço.”

Details »

Virtude militar

wall

Vês aquele muro?

Details »

Toda flor tem seus espinhos

Sim

Details »

Estar em paz – Oscar Wilde

09022014-IMG_5404-2

“Descansar na macia terra escura,

Details »

Bad luck

badluck

Gostaria de enraizar..

Details »

Jornalismo que preocupa: Gazeta do Povo

EditorialGazetadoPovo

Gazeta do Povo sobre protestos no Brasil.

Details »

Documentário: Black Block legendado (2011)

blackblock2011

Documentário: o terror policial em Gênova 2001.

Details »

Filme: Diaz – Não limpe esse sangue (2012)

diaz-movie.jpg

“Mataram um de 22. O que mais querem?”

Details »

Documentário: El cine libertario legendado

nosotrossomosasi

La revolución en el séptimo arte

Details »

Copavi: Terra libertada, sonho construído

copavi

“Uma prova de que é, sim, possível.”

Details »

Música: A banca do distinto

burguesia

Pra que tanta pose, doutor?

Details »

Música: Eu despedi o meu patrão

autogestao

Ele roubava o que eu mais valia..

Details »